no

“Se as crianças aprendessem no seu ritmo, a escola ia mudar” diz educador popular.

“Se as crianças aprendessem no seu ritmo, a escola ia mudar” diz educador popular.

por | 22 fev 2017

As escolas precisam mudar sua lógica. Elas iam deixar de estarem fechadas em programas, currículos e tempos, essa coisa toda encaixotada.

 

Conversamos com o antropólogo e educador popular Tião Rocha – segundo ele, é a mesma coisa – no Centro Popular de Cultura e Desenvolvimento – CPCD (cujo é fundador e presidente), criado em 1984, em Belo Horizonte/MG. O CPCD é uma organização não governamental sem fins lucrativos.

A missão é “a implementação e realização de projetos inovadores, programas integrados e plataformas de transformação social e desenvolvimento sustentável, destinados, preferencialmente, às comunidades e cidades brasileiras com menos de 50 mil habitantes onde vivem mais de 95% da população brasileira.” Segundo o próprio site.

O CPCD já ganhou mais de 35 prêmios entre nacionais ou internacionais, sempre pela participação ativa na transformação social alinhado a educação. Realmente estamos falando de gente que fala e faz, por isso tantas provas de que outra educação é possível!

Sabendo que o Tião Rocha e os demais envolvidos em seus projetos são referência no estudo de educação popular no país, não poderíamos deixar de entrevistá-lo. Como funciona o sistema educacional do Brasil? Quais são os caminhos para um futuro mais ético? Foram as perguntas iniciais para um bate papo descontraído e riquíssimo.

Assista a entrevista na íntegra e prepare a pipoca em casa

porquenão?

Mídia Interdependente

Somos um canal de mídia que, com uma abordagem sistêmica e pensamento coletivo, divulga, conecta e potencializa inciativas socioambientais, buscando despertar para mudanças através de soluções replicáveis. Acompanhe a gente no Facebook, Instagram e YouTube.

Gostou?

Lembramos que a missão do PorQueNão? é divulgar conteúdos riquíssimos como esse.  Conheça a nossa campanha de financiamento.

Escrito por guto

Comentários

Deixe uma resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…

0

Respeito à diversidade: casa abriga LGBTIs expulsos pela família

Carnaval 2017: como a crise recuperou o senso crítico das escolas de samba