no

Raizeira mais conhecida de Alto Paraíso, é também mãe de mais de 300 “filhos”

Raizeira mais conhecida de Alto Paraíso, é também mãe de mais de 300 “filhos”

por | 1 jul 2016

Durante a busca por mestres desse país, fomos atrás da Dona Flor, mulher simples, mãe e até tataravó aos 78 anos. Ela é referência em plantas medicinais, parto natural e é o espírito de comunidade em pessoa. Um sérumaninho cheio de amor pra dá.

Numa terça feira comum, já em Alto Paraíso, perguntamos pra um pintor na rua se ele conhecia o caminho pra casa da Dona Flor. “Claro, ela é minha tia.” respondeu ele. Seguimos suas coordenadas até o povoado do Moinho, a 12 km de Alto Paraíso.
Há alguns anos atrás, o espaço era só de quilombolas, hoje é uma vila com maior parte de chão batido com nativos e moradores de todos os cantos.

Chegamos na casa de Dona Flor sem avisar. O portão estava aberto e fomos logo entrando. Era uma casa simples e aconchegante. Dá pra imaginar o cuidado que ela tem com aquele jardim pelos bancos externos virados para apreciar as plantas. Logo veio ela, nos convidando para sentar e perguntar o que fazíamos ali.

“Queremos saber um pouquinho de suas histórias.” Respondemos com os olhinhos curiosos.

Desde pequena ela levava plantas para casa. Não sabia o que fazer com elas, mas levava mesmo assim, caso um dia precisasse. Quando tinha algum sintoma como nariz entupido, tosse, ia logo experimentando a colheita. Sempre experimentou tudo sozinha, se alguma coisa desse errado, daria errado só pra ela. E assim foi experimentando as ervas do cerrado, uma a uma.

Infelizmente a biodiversidade da região não é mais a mesma. Como ela mesmo diz: ” Há 4 coisas que estragam o mundo. O homem, o trator, a serra elétrica e o fogo, mas nada desses últimos três acontecem sem o primeiro.” Com o olhar todo triste, ela nos alertou sobre a escassez da água. O cerrado é conhecido por sua época de chuva e época de seca, ou seja, nos meses de verão é tanta chuva que a rotina toda muda. Mas esse ano foi diferente, só teve TRÊS dias de chuva. Por conta dessa mudança climática, as hortas foram prejudicadas e o feijão foi de R$3 (no ano passado) para R$13. “Comi o último feijão que eu tinha na semana passada, agora vou ter que me contentar sem o grão”,

 

No meio da história, pessoas começaram a aparecer com flores, com perguntas, com carinho, e interessadas em aprender com os conhecimentos de uma verdadeira anciã, que acumulou conhecimento durante toda sua vida e agora compartilha com prazer tudo que aprendeu.

 

A Dona Flor, além de mestre em plantas medicinais, é também parteira. O dom foi revelado com sua própria mãe. Sem saber sequer de onde vinham os bebês, passou por situação de apuros aos 18 anos. Sua mãe estava em trabalho de parto, um parto com muitas complicações, tanto que as parteiras desistiram e simplesmente saíram do quarto. Quando a Dona Flor entrou, não sabia o que fazer, mas também sabia que não podia cuidar de todos os irmãos sozinhos, então começou a colocar sua mãe em diferentes posições para ajudá-la. Nessa hora sua mãe já estava desacordada. Segundo seu relato, uma voz divina foi guiando seus passos. Assim que colocou a mãe sentada em seu joelho com a coluna ereta, houve um estalo e o bebê nasceu com o cordão enrolado no pescoço. Ela conseguiu salvar sua mãe e sua irmã, sozinha.

Desde então foram 326 partos! Por isso é a mãezona de mais de 300 “filhos”. É gestação que não acaba mais. Sem contar com seus 18 filhos biológicos e 12 adotivos. Essa mulher inspiradora dedicou sua vida à comunidade. O seu prazer é o cuidado, seja na hora do nascimento, seja no restante da vida. Um exemplo de que a ciência não depende só da academia, essa médica não é alfabetizada, mas tem forte afinidade com a cura através de seus conhecimentos empíricos.

Sim, ela ficou conhecida pelo seu carisma e agora tem até filme, chama-se “Flor do Moinho”, que foi financiado coletivamente através do Catarse em Maio de 2015. Veja aqui.

“Homem que tem sabedoria, não faz violência.”

– Dona Flor do Moinho

VIVIANE NODA

Empreendedora social e co-fundadora do PorQueNão?

Viviane Noda é comunicadora por natureza e acredita que sua missão de vida é encontrar soluções comunitárias.
Formada em administração com ênfase em marketing pela ESPM e especializada em Negócios Sociais pela metodologia Yunus, ela acredita que divulgar bons exemplos seja o respiro necessário para dar fôlego na caminhada de um futuro melhor.

Além de escrever, editar, filmar e coordenar, também dá consultoria de comunicação.

Gostou?

Lembramos que a missão do PorQueNão? é divulgar conteúdos riquíssimos como esse.  Conheça a nossa campanha de financiamento.

Escrito por guto

Comentários

Deixe uma resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…

0

O sistema de consumo de orgânicos mais inteligente que existe(e você pode começar um na sua cidade)

DESescolarização! Conheça pais que tiraram os filhos da escola