Carnaval do Rio terá banheiro químico que transforma resíduos em frutas orgânicas

by | 1 Mar 2019

BANHEIROS SUSTENTÁVEIS APLICAM CONCEITOS DE ECONOMIA CIRCULAR

Na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma

– Antoine Lavoisier

O carnaval 2019 do Rio de Janeiro vai ter o de sempre e algo mais: além dos blocos, desfiles e bailes de outros carnavais, os banheiros químicos da Barra da Tijuca vão ter uma apelo sustentável e tecnológico diferente de tudo que você já viu antes. A água de reuso será usada para irrigar árvores frutíferas!

Ou seja, você alivia a bexiga enquanto curte a folia já sabendo que, ao invés de poluir rios e oceanos, vai é fazer crescer frutas orgânicas que serão vendidas nas feiras do Rio.

Economia circular, na prática, é isso: uma visão contínua e cíclica de produção, na qual os recursos deixam de ser somente explorados e descartados e passam a ser reaproveitados. O motor da transformação, em geral e neste caso, é uma dificuldade.

Em 2015/16 o Rio passou por uma longa estiagem, e a crise hídrica e econômica criou uma nova oportunidade de negócio ao utilizar a água proveniente da estação de tratamento na irrigação de lavouras.

Um ano após o início do projeto, os nove hectares da estação produzem mais de 800 árvores frutíferas – como goiaba, banana, limão, maracujá – e beneficia quatro famílias que vivem exclusivamente da agricultura e não dependem mais do regime de chuvas para plantar.

 

Na época da estiagem, a ÁS Tratamento de Resíduos atuava em Itaboraí, cidade vizinha ao Complexo Petroquímico do estado do Rio de Janeiro – Comperj, e tinha ao seu redor uma grande plantação de quiabo cultivada por famílias de agricultores. Com a seca e a crise econômica, os custos para manter o modelo tradicional de cultivo aumentaram e a solução foi utilizar 10% da água proveniente da estação de tratamento na irrigação. Os outros 90% continuaram sendo devolvidos para o Rio Macacu – principal rio da mais importante bacia hidrográfica da Baia de Guanabara – contribuindo para sua despoluição.

Os Banheiros Irados da Qban utilizam produtos 100% biodegradáveis e garantem a correta destinação dos resíduos – da coleta e transporte até a estação de tratamento de efluentes da Action Shop, em Cachoeiras de Macacu, que faz parte do mesmo grupo empresarial. Lá, um sistema físico-biológico composto por três lagoas de aeração permitindo o seu reuso na fazenda de orgânicos Purezas da Estação.

A operação reduz a quantidade de água extraída de mananciais, promove a recarga do lençol freático da região do Rio Macacu, que é o maior afluente da Baía de Guanabara, e ainda faz crescer limões, goiabas, bananas, maracujás – tudo orgânico.

A coordenadora de comunicação da ActionShop, Liliane Prohmann conta que, feito o estudo e o projeto para implementar o sistema de irrigação, iniciou-se a tarefa mais difícil: sensibilizar as famílias de agricultores a mudar a maneira de plantar.

“Temos que seguir as diretrizes sobre o reuso da água da estação de tratamento e para isso tivemos que mudar inclusive o tipo de cultivo a que eles estavam acostumados, passando a ter um grande pomar irrigado por gotejamento e microaspersão.”, explica.

As diretrizes de manejo orgânico não foram as únicas mudanças.

Como a água proveniente da estação é rica em nutrientes, tornou-se desnecessária a utilização de fertilizantes químicos. Além disso, com o reequilíbrio do ecossistema, o uso de pesticidas para controle de pragas foi abolido também.

Com laboratório próprio, a água é monitorada diariamente em todas as etapas com auxílio de técnicos químicos especializados em tratamento de esgoto. As análises diárias contribuem para melhor controle e eficiência do tratamento. Todo esse controle permite inclusive a criação de cerca de 3 mil peixes – como cascudo, pintados, carpas  e tilápias –  na última lagoa, responsável pela estabilização final da carga orgânica.

As mudanças vieram para ajudar. Não depender da chuva é uma benção. Saber que as frutas que temos aqui não têm nada que possa prejudicar os outros é melhor ainda.

– Seu Amaro

Amaro Custódio, mais conhecido como Seu Amaro, antes plantava só quiabo e agora é um entusiasta da diversidade de cultivo e da não utilização de agrotóxicos.

Luciana Sendyk

Escritora

Escrevo livros (autorais ou de terceiros), textos, anúncios, sites, blogs, peças de teatro, projetos diversos e, especialmente, aqui no PorQueNão?. Sanitarista de formação, ecossocialista por opção e vegana por ideologia, feminista e engajada, o que não falta é tema para redação. Acredito que escrever é um ato político e que atuar pode transformar o mundo.

Gostou?

Lembramos que a missão do PorQueNão? é divulgar conteúdos riquíssimos como esse.  Conheça a nossa campanha de financiamento.